Blog da Marcinha

Ao postar emoções, medos, sensações e utopias aqui, através de fotos, pensamentos, crônicas, artigos e poesias, entrego a vocês um pedaço enorme do meu coração, por vezes ferido, outras alerta ou contente. Use com moderação!

07 fevereiro, 2009

A fantasia da minha memória (*)

Nem todos os dias e noites são iguais neste verão escaldante de Porto Alegre com tudo deserto em volta. Até porque as pessoas não são sempre as mesmas, passaram por fases evolutivas ou involutivas; trocaram de endereços, metas de vida ou de acompanhantes. E mesmo que as estórias de cada um apresentem uma tendência à repetição, o inesperado sempre poderá fazer uma surpresa. Introduzindo na cena um novo protagonista, quem sabe um novo heroi no BBB9, a casa mais observada do Brasil (cumã, que ausência de criatividade) ou uma pergunta fatal como quem matou Odete Roitman.

Até aí, nenhuma novidade e zero em teor de profundidade. Todos já estão comentando que o ano está passando depressa, falando do início do campeonato gaúcho, dos primeiros dias de Obama, dos novos vereadores e que novela! Mas, sabem aquela sensação pessimista que, às vezes, nos invade e se transforma em epidemia de tanto que coça? Pois é. Entrou sem convite, na metade de janeiro (não marquei o dia certo na agenda), sorrateira na minha vida, mergulhou na minha alma, bagunçou meu roupeiro, remexeu no meu passado, acordou minha família.

Desde então, nada ficou no lugar na minha suposta organização. E eu sou completamente neurótica sem minha metodologia (pelamordedeus, pequeno defeito). Virei de lado na cama para ver se o pensamento ruim não dominava os meus sonhos e nada. Lá, ele sorridente nos meus pesadelos. Troquei o trajeto das caminhadas saudáveis para enganar a nuvem de sombra que me acompanha nos dias alternados. Adiantou? O sol ilumina o percurso de todos, menos o meu, que segue escuro. Quem sabe variar um pouco a leitura? Esta tentativa ainda está em fase experimental porque recém me apropriei de várias opções literárias e a estatística não está disponível.

Apesar dos pesares, tenho segurado esta barra. Pode ser só uma impressão fatalista para interromper minha total afinidade e sucesso com os anos ímpares. Ou a perseguição subconsciente da pequena (mínima) ruga ao redor dos olhos que os cremes de rejuvenescimento não conseguiram reduzir. Talvez o medo de me enternecer demais com a chegada da sobrinha-neta no início de maio e permitir que eu reconheça, na filha da Camila, que tantas vezes acarinhei e fiz cafuné, passos remotos de inúmeras crianças que fui perdendo no inevitável amadurecimento que embrutece os adultos.

Como mãe chata de doer (o que pensava ser dedicação total maternal à filha única ganhou outra conotação), possa já sofrer antecipada a saudade da guria que minha Gabriela nem lembra que um dia foi. Ou uma melancolia pelas vezes em que não declarei em alto e bom som às pessoas que eu as amava demais da conta. Ou arrependimento pelos beijos que não dei. Tomara que seja apenas uma fantasia de Colombina abandonada pelo seu Arlequim, enciumado pelo amor do Pierrô, que escapuliu do baú das recordações. E, no final, deixe a avenida como mais uma desilusão de carnaval. E oxalá, abandone este corpo que não lhe pertence!
(*) márcia fernanda peçanha martins

Marcadores:

2 Comentários:

Blogger Jorge Correa disse...

Esta é Márcia amada que conheço. Consegue descrever tão bem os dissabores da vida, seu pessimismo e sua chata organização. Chega a ser neurótica. Gosto de ti assim. Se fosse diferente, não valeria a pena. Sobre o campeonato gaúcho tenho uma novidade: teu time, que veste camisa de pijama, vai desabar hoje. Não desanime. Beijos!
Jorge

8 de fevereiro de 2009 12:21  
Blogger marcinha disse...

Não sei pq aceito este comentário. É um tópico totalmente desfavorável a minha pessoa, falando da minha organização. Mas só quem me conhece tão bem para me entender. Ofícios de uma longa amizade. Sobre futebol, nada a declarar

10 de fevereiro de 2009 22:10  

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial